Rua Ezequiel Freire n° 35 - 3° andar, Conj. 33


Santana - São Paulo - SP


Cep: 02034-000


(11) 5051-7156

Usina de R$ 20 bi vira disputa entre Furnas e Odebrecht
Sáb, 04 de Outubro de 2014 09:00

Usina de R$ 20 bi vira disputa entre Furnas e OdebrechtA briga envolvendo os dois líderes no consórcio responsável pela usina de Santo Antônio, no rio Madeira (RO), Odebrecht e Furnas, emperra a resolução dos problemas financeiros da companhia.

Ambos travam um embate interno para decidir quem se responsabilizará pelo atraso na construção da obra: todos os sócios ou só a Odebrecht.

A usina, de acordo com o cronograma válido na Aneel, atrasou cinco meses e, por isso, precisa arcar com um prejuízo de R$ 2 bilhões.

A Odebrecht quer que o valor seja rateado entre todos os sócios. Furnas, por outro lado, exige que a Odebrecht pague a maior parte.

Furnas culpa a empreiteira pelo fracasso na antecipação do cronograma da usina em um ano. A Odebrecht prometeu entregar a obra no início de 2014, quando originalmente o prazo era 2015. O objetivo era vender a energia gerada antecipadamente em contratos no mercado livre.

A empreiteira, por sua vez, culpa ações sindicais, em 2013, pelo atraso.

Exceto Furnas, os demais sócios querem injetar R$ 2 bilhões em Santo Antônio para pagar prejuízos no mercado de curto prazo, de abril a agosto, além de R$ 700 milhões ao consórcio construtor, formado por Odebrecht e Andrade Gutierrez.

Furnas aceita pagar o mercado de curto prazo, mas não as construtoras. A resistência impediu a injeção de R$ 1,14 bilhão, que deveria ser discutida na última quinta (25).

A estatal não apareceu na assembleia porque Santo Antônio vinculou o pagamento às construtoras à injeção que precisa ser feita para pagar, até o dia 7, R$ 266 milhões, conta do mercado de curto prazo referente a agosto.

Outra parte da injeção, de R$ 850 milhões, para pagar o prejuízo entre abril e julho, foi aprovada por todos os sócios em 5 de setembro.

Caso não seja feito o pagamento, um processo de desligamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica deve ser iniciado. Se expulsa, Santo Antônio perde a licença de operação da usina, que seria devolvida à Aneel, sem indenização.

O imbróglio que é a composição acionária de Santo Antônio impede uma resolução imperativa da questão por parte de algum dos sócios isoladamente.

No que se refere ao capital votante, Furnas responde por 39%, Odebrecht, por 38,6%, Andrade Gutierrez, por 12,4%, e Cemig, por 10%.

A relação de cada um com o capital financeiro (a fatia que cada uma deve dispor em caso de injeção financeira), porém, é mais complexa. Furnas mantém 39%, mas a Odebrecht reduz sua exposição, para 28,7%. A ajuda vem do fundo de investimento do FGTS, que detém 9,9%.

A Cemig aumenta sua fatia para 20,3%, reduzindo a da Andrade Gutierrez para 2,1%.

Apesar da maior participação, Furnas possui apenas um benefício: o poder de veto aos pagamentos feitos ao consórcio construtor.

Foi essa vantagem que travou o repasse dos R$ 700 milhões às empreiteiras.

Para forçar o pagamento, a Odebrecht ameaçou paralisar a obra e demitir trabalhadores. Mas a primeira fase já está pronta. A segunda só deve ser entregue em 2016.

CRONOLOGIA

Dez.2007
Furnas, Odebrecht, Andrade Gutierrez e Cemig vencem o leilão da usina de Santo Antônio, no rio Madeira (RO)

Dez.2009
Odebrecht, responsável pela obra com da Andrade Gutierrez, garante a construção um ano antes do prazo original

Jan.2011
Com a antecipação do cronograma na Aneel, a usina passa a fechar contratos de fornecimento de energia no mercado livre

Abr.2013
Sindicatos paralisam a obra por uma semana. Ocorrências nos atos impactam a obra

2014

Atrasos
Prevista para entrar em operação plena em março, obra atrasa cinco meses. Furnas culpa a sócia Odebrecht

Prejuízos
Usina não consegue entregar toda a energia prevista em seus contratos e acumula dívida de R$ 1,3 bilhões no mercado de curto prazo entre abril e agosto

Injeção
Sócios decidem investir R$ 2 bilhões na usina, para pagar o mercado de curto prazo e R$ 700 milhões às empreiteiras

Veto
Furnas barra o pagamento a Odebrecht e Andrade Gutierrez

Fonte: Centro de Pesquisas Intercorp - Folha de S. Paulo

 

INTERCORP Consultores Associados - Todos os direitos reservados

Os relatórios de análise têm como único propósito fornecer informações e não constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição

Criação de Sites - ATESCO