Rua Ezequiel Freire n° 35 - 3° andar, Conj. 33


Santana - São Paulo - SP


Cep: 02034-000


(11) 5051-7156

Venda de carne para Rússia tem janela curta e instável
Sáb, 04 de Outubro de 2014 09:00

Venda de carne para Rússia tem janela curta e instávelA janela de oportunidades para o Brasil no mercado russo, aberta com o bloqueio de Moscou a produtos agrícolas europeus e americanos, é "instável" e "tem curto período de tempo" na visão do Ministério da Agricultura.

Segundo Leandro Feijó, diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal, por envolver uma decisão política e comercial, e não apenas técnica, a posição favorável do Brasil no mercado russo pode mudar rapidamente.

Para ele, assim que a Rússia fizer as pazes com os europeus e os americanos, tudo pode mudar e frigoríficos brasileiros podem ser retiradas do mercado.

A Rússia bloqueou a compra de produtos agrícolas de Europa, EUA, Canadá, Noruega e Austrália em agosto em resposta a sanções estalecidas pelo bloco, que discorda da posição de Moscou na crise da Ucrânia.

O Brasil tornou-se assim fornecedor preferencial de carnes para o país, motivando uma corrida para habilitar frigoríficos brasileiros.

Desde o dia 6 de agosto, 113 novos frigoríficos nacionais foram credenciados -antes apenas 57 tinham permissão. "O Brasil nunca foi colocado nessa posição. Os três grandes competidores, que são Estados Unidos, União Europeia e Austrália, foram tirados da jogada", disse Feijó em entrevista à Folha.

A Rússia já era o principal destino da carne bovina e suína brasileira. No mês passado, as vendas brasileiras de carne bovina, suína e de frango para os russos chegaram a US$ 360 milhões, um aumento de 50% ante agosto do ano passado.

A avaliação de que a oportunidade pode ser passageira fez com que o governo brasileiro montasse uma força-tarefa para agilizar as autorizações aos frigoríficos nacionais interessados em exportar. As empresas habilitadas por Moscou só podem embarcar carne ao país após receberem também o selo do Ministério da Agricultura.

Um formulário simplificado de autorização foi criado e fiscais foram orientados a priorizar averiguações nos frigoríficos indicados pela Rússia. Hoje, 94 já estão aptos a exportar, ou seja, têm habilitação russa e brasileira, segundo Feijó. Outros nove foram excluídos do processo e dez aguardam autorização.

Desde o final de 2013, o governo brasileiro se empenha em estreitar os laços com Moscou na tentativa de simplificar o processo de habilitação. Com o novo cenário, o assunto passou a ser tratado como prioridade, disse Feijó.

Fonte: Centro de Pesquisas Intercorp - Folha de S. Paulo

 

INTERCORP Consultores Associados - Todos os direitos reservados

Os relatórios de análise têm como único propósito fornecer informações e não constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição

Criação de Sites - ATESCO