Rua Ezequiel Freire n° 35 - 3° andar, Conj. 33


Santana - São Paulo - SP


Cep: 02034-000


(11) 5051-7156

Estrela vai exportar brinquedos na China por causa dos custos no Brasil
Sáb, 16 de Agosto de 2014 13:06

Estrela vai exportar brinquedos na China por causa dos custos no BrasilA partir deste mês, crianças da Rússia e da Turquia poderão encontrar, nas lojas, brinquedos da marca Estrela, como a bonequinha Cupcake Surpresa.

A chegada a esses mercados marca a volta da empresa brasileira às exportações depois de cerca de cinco anos. Mas, diferentemente do que fez no passado, a Estrela não vai exportar brinquedos fabricados no Brasil, e sim feitos por indústrias da China.

Unir-se ao país que, para muitos fabricantes de brinquedos, é o maior "inimigo" do setor, foi a forma que a empresa encontrou para driblar os custos de produção e exportação brasileiros, diz o presidente da Estrela, Carlos Tilkian.

"Nós resolvemos fazer com que os problemas de ontem passassem a ser uma vantagem competitiva nessa nossa retomada da exportação", afirma ele. Segundo o empresário, a experiência com produção naquele país ajudou a empresa na busca por fornecedores de qualidade para essa nova fase.

UOL - A Estrela vai voltar a exportar produtos depois de muitos anos. Mas, em vez de exportar do Brasil, vai exportar a partir da China. Por quê?

Carlos Tilkian - Nós já comprávamos muitos produtos da China, como carrinhos de controle remoto, minibonecas e personagens de filmes. Aí a gente pensou: nós já temos uma parcela de brinquedos desenvolvidos por nós que são produzidos na China e vendidos no Brasil. Por que não começar a exportar a partir da China?

A exportação pelo Brasil continua extremamente difícil para produtos industriais, por causa de uma conjuntura de fatores, que vão desde toda a carga tributária imposta no processo de produção até a falta de infraestrutura e problemas de logística. Tudo isso, junto com o câmbio, tira muito da competitividade da exportação.

Na China, a situação é diferente em relação a fluxo de mercadorias, frete internacional e marítimo, frequência de navios, infraestrutura. Além disso, a moeda chinesa, frente ao dólar, tem uma desvalorização muito grande.

Então nós resolvemos fazer com que os problemas de ontem passassem a ser uma vantagem competitiva nessa nossa retomada da exportação.

Por que a Estrela parou de exportar seus produtos?

Há 20 anos, a Estrela exportava principalmente para os Estados Unidos e para a Europa. Mas nós fomos perdendo a competitividade. Isso aconteceu não em função da perda de eficiência industrial, mas por causa das leis trabalhistas e do crescimento significativo da carga tributária.

Se você analisar a média de aumentos reais que foram dados para os principais sindicatos, ela é significativamente maior do que o aumento da receita das empresas ou do que o aumento do PIB do país. Isso significa um aumento de custo de produção.

Além disso, a falta de investimento na infraestrutura e a política cambial que o Brasil adotou nesses últimos anos fizeram a gente perder a chance de exportar. Nos últimos cinco anos, nós praticamente não exportamos mais nada.

Agora já temos dois contratos de exportação em andamento, para a Rússia e para a Turquia. Queremos adotar um novo modelo para a companhia, em que a gente começa a usar a China como uma vantagem competitiva, e não mais como um risco estratégico à nossa sobrevivência.

É possível estimar a diferença de carga tributária do Brasil da China?

Vou te dar números aproximados. Um brinquedo comprado por um consumidor na loja tem, aqui no Brasil, quase 50% de impostos. Parte desses impostos também incide sobre produtos importados, então é difícil fazer a conta exata.

Mas, para ter uma ideia, na China, o único imposto que existe, principalmente para as empresas que exportam, é o Imposto de Renda, com alíquota máxima de 12%. Então é infinitamente mais baixo do que a gente produzir aqui e exportar.

Fonte: Centro de Pesquisas Intercorp – UOL

 

INTERCORP Consultores Associados - Todos os direitos reservados

Os relatórios de análise têm como único propósito fornecer informações e não constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição

Criação de Sites - ATESCO